segunda-feira, 28 de novembro de 2011


Estudo relaciona descrença religiosa a QI alto

Um artigo de pesquisadores europeus, que será publicado na revista acadêmica Intelligence em setembro, defende a tese de que pessoas com QI (Quociente de Inteligência) mais alto são menos
propensas a ter crenças religiosas.
O texto é assinado por Richard Lynn, professor de psicologia da Universidade do Ulster, na Irlanda do Norte, em parceria com Helmuth Nyborg, da Universidade de Aarhus, na Dinamarca, e John
Harvey, sem afiliação universitária. 
Lynn é autor de outras pesquisas polêmicas, entre elas uma sugerindo que os homens
são mais inteligentes do que as mulheres.
A conclusão é baseada na compilação de pesquisas anteriores que mostram uma relação entre QIs altos e baixa religiosidade e em dois estudos originais. 
Em um desses estudos, os autores compararam a média de QI com religiosidade entre
países.
No outro estudo, eles cruzaram os resultados de jovens americanos em um teste alternativo de habilidade intelectual (fator g) com o grau de religiosidade deles. 
Na pesquisa entre países, os pesquisadores analisaram média de QI com o de religiosidade em 137 países. Os dados foram coletados em levantamentos anteriores. 
Os autores concluíram que em apenas 23 dos 137 países a porcentagem da população que não acredita em Deus passa dos 20% e que esses países são, na maioria, os que apresentam índices de QI altos. 
Exceções
Os pesquisadores dividiram os países em dois grupos.
No primeiro grupo, foram colocados os países cujas médias de QI são mais baixos, variando de 64 a 86 pontos. Nesse grupo, uma média de apenas 1,95% da população não acredita em Deus. 
No segundo grupo, onde a média de QI era de 87 a 108, uma média de 16,99% da população não acredita em Deus.
Os autores argumentam que há algumas exceções para a conclusão de que QI alto equivale a altas taxas de ateísmo.
Eles citam, por exemplo, os casos de Cuba (QI de 85 e cerca de 40% de descrentes) e Vietnã (QI de 94 e taxa de ateísmo de 81%), onde há uma porcentagem de pessoas que não acreditam em Deus maior do que a de países com QI médio semelhante. 
A pesquisa reúne evidência apresentada em outros estudos Uma possível explicação estaria, segundo os autores, no fato de que "esses países são comunistas nos quais houve uma forte propaganda ateísta contra a crença religiosa". 
Outra exceção seriam os Estados Unidos, onde a média de QI é considerada alta (98), mas apenas 10,5% dizem não acreditar em Deus, uma taxa bem mais baixa do que a registrada no noroeste e na região central da Europa – onde há altos índices médios de QI e de ateísmo. 
Lynn diz que uma explicação para o quadro verificado nos Estados Unidos pode estar no fato de que "há um grande influxo de imigrantes de países católicos, como México, o que ajuda a manter índices altos de religiosidade". 
Mas ele reconhece que mesmo grupos que emigraram para os Estados Unidos há muito tempo tendem a ter crenças religiosas fortes e diz que, simplesmente, não consegue explicar a realidade americana. 
Generalização
Os autores argumentam que essa relação entre QI e descrença religiosa vem sendo demonstrada em várias pesquisas na Europa e nos Estados Unidos desde a primeira metade do século passado. 
Eles citam, também, uma pesquisa de 1998 que mostrou que apenas 7% dos integrantes da Academia Nacional Americana de Ciências acreditavam em Deus, comparados com 90% da população em geral. 
Lynn admitiu à BBC Brasil que os resultados apontam para uma "generalização" e que há pessoas com QI alto que têm crenças religiosas fortes. 
Segundo ele, há vários fatores, como influência familiar ou pressão social, que influenciam a religiosidade das pessoas.
"Nós temos que diferenciar a situação hoje com outros períodos da história. As pessoas tendem a adotar uma atitude de acordo com a sociedade em que vivem. Hoje em dia, na Grã-Bretanha e em outros países europeus, não há tanta pressão da sociedade para que você acredite em Deus", afirma. 
Uma das hipóteses que o estudo levanta para tentar explicar a correlação entre QI e religiosidade é a teoria de que pessoas mais inteligentes são mais propensas a questionar dogmas religiosos "irracionais". 


 Fonte : http://www.bbc.co.uk/portuguese/ Estudo relaciona descrença religiosa a QI alto 
 Deus criou o mal ?


Segundo a biblia sim,deus criou tudo o que nos rodeia , o bem , o mal , a justiça , a injustiça , o conforto e o sofrimento , ele criou "tudo"


Em Isaías 45:7, Deus diz: "Eu formo a luz e crio as trevas; faço a paz e crio o mal; eu, o Senhor, faço todas estas coisas."

Só que aí se contradiz com

LUCAS 6 : 43 A 45   "Não há árvore boa  que dê mau fruto; nem tão pouco árvore má que dê bom fruto. "

Segundo lucas deus nunca poderia criar algo ruim,nunca poderia criar o mal, a não ser que voce me diga que este mal é bom,eu não conheço nenhum mal bom.
Entenda-se "mal" todo tipo de perversão que deus criou como o estupro de virgens , escravidão (exodo 21 deus autoriza a escravidão),morte ás crianças(Deus envia dois ursos  para matar 42 crianças  por terem zombado da calva de Eliseu. [II reis 2 23-24] ),etc
 Nitidamente podemos ver que a mensagem de lucas é uma furada ,pois claro que ha arvores boas que dão mau fruto e arvores ruins que dão bons frutos,por exemplo,quantas vezes um casal evangelico ,seguidor da palavra,tem filhos ladrões,bandidos?varias vezes,pois isso é até uma constante,e quantas vezes do filho de um bandido é honesto e correto? tambem varias vezes.
Então o que lucas escreveu ( se foi ele mesmo não é) esta errado,mas dizem que a bibllia não tem erro algum,mas quem foi que disse isso mesmo?Nela mesma esta escrito isso!!!!
A biblia é a melhor testemunha dela mesma!!!!!
A biblia é o seu proprio advogado,nela esta escrita que ela é verdadeira!!!!!
Se a vida fosse tão simples como a que esta escrita la,seria otimo,mas a vida real não é assim, os frutos tem uma ligação forte com quem os criou mas,dependem tambem de fatores externos para se transformar em algo bom ou ruim,assim como o ser humano,Segundo Jean Paul Sartre o homem é produto do meio em que vive,então definitivamente ele pode até ter uma tendencia genetica ao "mal",mas que pode ser controlada,desnaturada,para algo "bom",ou seja o meio influenciando ele a ser bom.
E a biblia com seus erros e suas contrariedades não pode ser levada muito a sério,se bem interpretada se notarão as falhas aqui e ali no seu texto.
 

domingo, 27 de novembro de 2011

Criatura é fusão de animal e vegetal

Molusco "rouba" DNA de algas e se transforma em híbrido: vive como animal, mas se alimenta como planta

Um molusco esquisito e feio, que vive no litoral oeste dos EUA, pode redefinir tudo o que se sabe sobre a divisão entre animais e vegetais. Isso porque esse animal, cujo nome científico é Elysia chlorotica, não é bem um animal: é um híbrido de bicho com planta.

Cientistas de 3 universidades americanas descobriram que o Elysia conseguiu incorporar um gene das algas, o psbO, e por isso desenvolveu a capacidade de fazer fotossíntese. É o primeiro animal a se alimentar apenas de luz e CO2, como as plantas. "Ele consegue produzir sua própria energia, sem comer nada", conta o biólogo Sidney Pierce, da Universidade da Flórida. Essa estranha capacidade é a mais nova proeza do Elysia, cujas habilidades evolutivas têm chamado a atenção da comunidade científica. Antes de se transformarem em híbridos de animal com vegetal, os moluscos dessa espécie costumavam engolir algas e usar os cloroplastos (pedaços de célula que contêm clorofila) delas para fazer fotossíntese.

Os pesquisadores ainda não sabem como o molusco conseguiu se transformar em planta, mas tudo indica se tratar de um caso clássico de seleção natural. Um indivíduo da população da espécie teria sofrido a mutação, levado vantagem (por conseguir se alimentar de luz) e transferido a habilidade aos descendentes. Pura Teoria da Evolução. Darwin continua irretocável. Mas a árvore da vida, e suas divisões entre gêneros e espécies, pode precisar de um pequeno adendo.

fonte :   http://super.abril.com.br/mundo-animal/criatura-fusao-animal-vegetal-543145.shtml

Britânica vê imagem de Jesus Cristo  em chiclete mascado
A britânica Nelly Noden estava mascando seu chiclete na Sexta-feira Santa quando deixou o doce sobre a lareira para comer alguns cereais. Quando ela voltou, notou que o chiclete tinha se transformado em uma imagem que lembrava Jesus Cristo.
"Logo que olhei, eu pude ver Jesus Cristo", disse Noden, mãe de duas crianças.  "Eu tinha acabado de voltar das compras quando coloquei o chiclete na lareira para comer cereais, como sempre faço. Quando voltei para pegar o chiclete, Jesus estava lá", disse.
A família diz não ser religiosa, mas acredita que o fato tenha sido especial por ter acontecido na época da Páscoa e na véspera do aniversário de Nelly. Noden diz que vai guardar o chiclete mascado como uma lembrança.